qui, 14 jun

Crianças com medo da morte

O desenvolvimento da criança e do adolescente é um tempo de descobertas. Descobertas sobre o que é e como funciona o mundo, com tudo o que nele existe. Por vezes os conceitos são demasiados assustadores, especialmente se desencadeiam emoções e sentimentos que, à data em que são pensados, causam uma profunda angústia.

O tema da morte e do morrer é claramente um dos mais fortes. Depois de muitas vezes escutar e mesmo falar sobre a morte, chega o dia em que a criança toma consciência do que realmente significa essa palavra. Para algumas crianças muito cedo, logo pelos cinco ou seis anos. Para a grande maioria mais tarde, já pelos nove ou dez anos.

Quando apenas se conhece a existência da morte, ouve-se e falava-se dela mas não se coloca a possibilidade de ela mesma estar envolvida no sofrimento associado. Por isso ajudava dizer apenas para fazer um desenho para enviar à pessoa, ou que agora é uma das estrelas no céu e que a pode olhar. Mas quando toma consciência, quando se sente na possibilidade de alguém muito querido morrer ou mesmo ela, o que implicaria nunca mais ver quem gostamos muito, o sentimento é carregado de angústia e causa muita aflição.

A principal causa de tanto sofrimento é o facto de o cérebro da criança não ser ainda capaz de distanciar no tempo esse acontecimento inevitável. E por isso o seu sistema emocional está a reagir como se estivesse já a acontecer.

Algumas crianças choram com o desespero de quem está realmente já no velório ou no funeral. A ajuda externa que lhe podemos dar, ou seja, o completar o trabalho que o seu cérebro ainda não é capaz de fazer, consiste apenas em assinalar a distância temporal, e repetir-lhe, as vezes que forem necessárias, que ainda falta muito tempo, que ainda não é agora.

Esta nossa ajuda externa ao trabalho do seu cérebro não interrompe de imediato o seu sofrimento, mas aos poucos “ensina” o cérebro a distanciar no tempo, e mesmo sabendo que um dia vai acontecer, já não sente como sendo naquele momento.

 

Texto escrito por Quintino Aires

Para mais informações: www.drquintino.com ou ligue para a clínica 21 192 7 192.

Página Oficial do Você na TV