O que procura?

O balanço de sete anos de «A Tarde é Sua»

Estávamos em janeiro de 2011. Estreava “A Tarde é Sua”, na TVI, conduzido por Fátima Lopes. Num Live Chat exclusivo para a página oficial de Facebook do programa, a apresentadora fez um balanço destes sete anos de emissões.

31 jan, 12:14

O balanço de sete anos de «A Tarde é Sua»

“Muita coisa mudou nestes últimos sete anos. Muitos espaços novos foram introduzidos, outros que deixaram de acontecer, mas, acima de tudo, temos tido a capacidade de renovar o programa e de corresponder à vontade das pessoas”, começa por dizer Fátima Lopes. A apresentadora, passados estes sete anos, garante ser a mesma pessoa, em termos de personalidade, embora se considere hoje uma profissional mais capaz. “Já fiz muita coisa nova nesta casa e isso tem sido muito bom”, acrescenta.

Para que de segunda a sexta-feira o programa vá para o ar, explica a apresentadora, há todo um trabalho de pesquisa e produção realizado por parte da sua equipa. “Quando eu recebo a pasta diária com a informação, já a minha equipa está a trabalhar há muito para que isso aconteça”, assegura. “A mim cabe-me saber bem as histórias, estar bem preparada. Não me cabe na cabeça entrevistar um convidado sem estar bem preparada. Acho que isso não é respeitar o convidado”, remata.

Por ser, sobretudo, um programa de histórias de vida, o “A Tarde é Sua” tem levado, por diversas vezes, Fátima Lopes a comover-se em direto. É sobretudo com histórias que envolvam crianças, ou pais que perderam os filhos, que a apresentadora sente maior dificuldade em distanciar-se do papel que desempenha do de uma cidadã comum, para conseguir dar continuidade ao programa. “Eu ainda não consegui inventar as palavras certas que consolem o coração de um pai ou de uma mãe que perderam um filho”, explica. “Eu tenho aprendido grandes lições de vida com os meus convidados”, acrescenta.

Relativamente à condução de outros programas em simultâneo – como foram os casos de “Pequenos Gigantes” e “Let’s Dance – Vamos Dançar” – Fátima Lopes revela que é necessária muita organização para conseguir entrar em antena muito bem preparada. Nessas alturas, adianta, todas as outras funções que assume, como a de escritora ou de formadora, ficam em stand by.

Apesar de admitir ter vontade de voltar a abraçar outros projetos na TVI, Fátima Lopes garante que programas que consistam em histórias de vida, contadas na primeira pessoa, são a sua "cara". "Eu gosto de ajudar a pessoa a tirar o melhor de si e a partilhar aquilo que tem dentro. Essa é a minha especialidade", remata.

PARTILHA