3 dez, 23:11

João e Joana abandonam a cozinha do MasterChef Júnior

Na terceira semana de competição os aspirantes entram na cozinha do MasterChef que está vazia... Onde estarão os jurados? De repente começa a ouvir-se o tic tac de um relógio e abrem-se as portas para uma sala mágica onde está uma máquina do tempo; dela surge um homem das cavernas (chef Rui Paula), um romano (chef Miguel Rocha Vieira) e um francês do séc. XVIII (Manuel Luís Goucha) – três personalidades diferentes de épocas distintas. Os aspirantes vão ter de decidir, em conjunto, em que época querem cozinhar: Pré-história, Roma Antiga ou Séc. XVIII. Eles decidem que preferem cozinhar com ingredientes do Séc. XVIII, cuja principal proteína é codorniz; no top 5 estão a Flor, a Ariana, o Nuno, o Francisco e a Maria. O Francisco é o autor do melhor prato e recebe 6 pontos; o Nuno recebe 5 pontos, a Flor 4, a Ariana 3 e a Maria 2 pontos.

Mas as surpresas não param de surgir no MasterChef e na segunda prova entra na cozinha um Tio Galinha com uma cesta de ovos muito especiais. Será uma prova em equipas, mas para decidir a formação das equipas, os aspirantes terão de partir os ovos na cabeça dos jurados – os ovos especiais têm cores por dentro e estas cores definirão as equipas. Na prova, os aspirantes terão de fazer ovos recheados, mas as equipas têm de trabalhar em cadeia: o primeiro elemento tem de descascar ovos cozidos, o segundo tem de cortá-los ao meio e separar as gemas, o terceiro tem de fazer o recheio e o quarto tem de colocar o recheio nos ovos e finalizar. Depois dos ovos partidos, as equipas ficam formadas: a Beatriz, a Lara, o João Miguel e o João constituem a equipa azul; o José, a Joana, o Francisco e a Maria fazem parte da equipa vermelha; a Francisca, o Gonçalo, o Nuno e o António formam a equipa verde e a Ariana, o Américo, a Maria Tete e a Flor a equipa amarela. Os jurados vão distribuir os pontos da prova avaliando a rapidez das equipas (quem conseguir terminar primeiro os ovos recheados) mas também irão atribuir outros pontos tendo em conta sabor e apresentação.

Na prova, a descascar os ovos ficam a Beatriz, a Maria Tete, a Joana e o António. A partir os ovos ao meio e separar a gema ficam o João, a Ariana, o José e a Francisca; a Lara, o Américo, a Maria e o Nuno fazem o recheio e quem recheia os ovos e finaliza é o João Miguel, a Flor, o Francisco e o Gonçalo. A equipa verde é a mais rápida e ganha 6 pontos, em segundo lugar fica a equipa amarela com 5 pontos, em terceiro a equipa vermelha com 4 pontos e em último a equipa azul com 3 pontos. Surpreendentemente, em termos de sabor e apresentação, a classificação mantem-se e os mesmos pontos são novamente atribuídos. O Nuno é o aspirante com mais pontos, tem 17; de seguida a Flor e o Francisco com 14 pontos; depois a Ariana, a Francisca, o António e o Gonçalo com 13 pontos e a Maria Tete e o Américo com 11 pontos. Todos estes aspirantes estão a salvo e passam diretamente para a quarta semana de competição. Fazem a última prova a Maria, o José, a Joana, a Lara, o João Miguel, o João e a Beatriz.

Na terceira e última prova da semana, o Nuno, o aspirante com mais pontos, tem um papel muito especial: é peixeiro. Ele vai distribuir diferentes tipos de peixe pelos colegas; o peixe é o ingrediente estrela desta prova. Sendo assim, a Maria fica com peixe-espada-preto; o José com pregado, a Joana com peixe-galo, a Lara com peixe- espada, o João Miguel com peixe-porco, o João com corvina e a Beatriz com pampo.

A Maria é a autora do melhor prato e os dois piores pratos pertencem ao João e à Joana, ambos recebem 1 ponto, o que não é suficiente para continuarem na competição.